Saúde mental de Éverton Cebolinha não esteve nada boa

Destaque do Flamengo desde a chegada de Tite, Éverton Cebolinha recuperou o bom futebol e aumentou a concorrência por uma vaga no setor ofensivo. O jogador concedeu entrevista ao ‘GE’ e falou sobre sua saúde mental, que esteve abaixo em determinados momentos.

Revelando detalhes, Éverton Cebolinha não escondeu a frustração que viveu pelo período ruim vestindo a camisa Rubro-Negra. Sob o comando do novo treinador, o atleta soma 11 jogos seguidos como titular (contando os amistosos na pré-temporada) e vive a melhor fase desde que foi contratado em junho de 2022.

“Tem sido um momento de aprendizado, principalmente nos momentos mais difíceis, de oscilação. Foi um momento que eu procurei me fortalecer ainda mais, me preparar ainda mais, principalmente no extracampo. A gente sabe da cobrança e da dificuldade que é você vestir a camisa do Flamengo”, iniciou o camisa 11.

Éverton Cebolinha conseguiu recuperar o nível

“Hoje eu me encontro muito mais preparado. Estou na minha melhor forma física, melhor forma mental e técnica, e eu tenho conseguido dar conta do recado. Hoje eu me sinto realizado e procuro usufruir de cada momento. Teve momentos de muita dificuldade, que você acaba deixando a peteca cair um pouco…”, esclareceu o atleta de 27 anos.

Participe agora do nosso grupo exclusivo do Whatsapp, Telegram ou acesse nossas comunidades.

O investimento extracampo em psicologia, preparação mental, somado ao acompanhamento individual com fisioterapia e nutrição, foram fortalecidos após a chegada de Tite. Isso ajudou o ponta-esquerda a melhorar o desempenho dentro das quatro linhas.

Éverton Cebolinha relembrou as dificuldades com sua saúde mental, que aumentaram logo após a pandemia, quando ainda estava em Portugal. Entretanto, as coisas foram melhorando com o tempo.

Sendo peça importante no esquema do técnico Rubro-Negro, o atleta deseja continuar ajudando a equipe e gostaria de conquistar o Campeonato Brasileiro, título que ele ainda não tem.

Comentários estão fechados.