Flamengo não quer saber e aprova orçamento bilionário em receitas para 2024

Além de viver ótimo momento dentro campo, conquistando diversos títulos nos últimos anos e disputando a maioria dos torneios, o Flamengo também se encontra muito bem financeiramente. Os recentes balanços divulgados nos últimos anos mostra um grande crescimento da receita gerada pelo clube, fruto da imensa torcida espalhada pelo Brasil.

Na terça-feira (12), o Conselho de Administração no Flamengo aprovou a proposta orçamentária elaborada pelo Conselho Diretor para o ano de 2024. Foram 51 votos favoráveis e apenas dois contra. A entidade esportiva prevê arrecadação superior a R$ 1 bilhão somente em receitas recorrentes, conta que não inclui transferências de jogadores.

Novamente o Rubro-Negro deve passar da casa do bilhão, tendo o maior faturamento de um time no futebol brasileiro. A torcida, principal meio que move o clube, é a grande responsável pela situação positiva no caixa. Tudo isso sem contar a venda de atletas.

Flamengo tem números superiores a todos os seus adversários

Embora membros do Conselhos Fiscal e da Comissão Permanente de Finanças manifestaram em outras reuniões certa preocupação com o permanente aumento da folha salarial dos jogadores, não houve nenhuma recomendação formal em ata a respeito do tema.

Participe agora do nosso grupo exclusivo do Whatsapp, Telegram ou acesse nossas comunidades.

Atualmente o Flamengo gasta cerca de R$ 25 milhões mensais para manter o elenco mais estrelado do continente sul-americano.

Mesmo com algumas linhas de pensamento defendendo que o máximo a ser gasto nas contratações de atletas fosse R$ 200 milhões, o Conselho Diretor enviou uma proposta que prevê gasto atingindo os 30 milhões de euros (R$ 160,8 milhões no câmbio atual) em compras. Já nas vendas, a ideia é arrecadar por volta de 20 milhões de euros (R$ 107, 2 milhões).

Durante reunião recente com membros do grupo político União Rubro-Negra, Rodolfo Landim afirmou a associados que o Flamengo vai encerrar 2023 com receita total de R$ 1,3 bilhão.

Comentários estão fechados.